sexta-feira, 8 de junho de 2007

Gelatina, baby!

Recentemente me veio a pergunta do que é feito a gelatina? Corri pegar um pacote de gelatina que tinha no armário e para a minha surpresa estava escrito:

Ingredientes:
Açúcar, gelatina, sal, acidulante, ácido fumárico, regulador de acidez citrato de sódio, aromatizantes e corantes tartrazina e amarelo crepúsculo.

Ou seja, um dos ingredientes para se fazer gelatina é a... rufem os tambores... gelatina. Não pude me conter de alegria com tamanha revelação e não me dando por vencido segue abaixo a pesquisa.

Existem dois tipos de gelatinas:

  • Animal

Substância originária de ossos, cascos e tendões de vacas e porcos. Para fazer a gelatina, os fabricantes trituram estas várias partes e dão a elas um pré-tratamento com um ácido forte ou com uma base forte para quebrar as estruturas celulares e liberar proteínas, como o colágeno. Depois deste pré-tratamento, a mistura é fervida. Durante este processo, a grande molécula do colágeno acaba se quebrando parcialmente e o produto resultante é chamado de gelatina. A gelatina é facilmente extraída, porque ela forma uma camada na superfície da mistura em fervura.


  • Vegetal

A gelatina de origem vegetal pode ser obtida a partir de agár-agár ou com base em carragena. O agár-agár, também conhecido como agár ou agarose, é um hidrocolóide extraído de diversos gêneros e espécies de algas marinhas vermelhas da classe Rodophyta, onde surge como carbohidrato estrutural na parede das células. O agár-agár é insolúvel em água fria, porém expande-se consideravelmente e absorve cerca de vinte vezes o seu próprio peso de água, formando um gel não-absorvível, não-fermentável e com a importante característica de ser atóxico. É amplamente utilizada em laboratórios para se fazer crescer bactérias e culturas. A carragena também se origina de algas vermelhas da classe Rodophyta e o tipo de carragena a ser extraído varia de acordo com a espécie da alga. O Brasil importa cerca de 90% da gelatina vegetal utilizada aqui.


A gelatina (em inglês americano gelatin ou gelatine, em inglês britânico jelly, em francês gélatine) mais comum é a de origem animal. A data certa da descoberta da gelatina é desconhecida, mas levando em consideração os elementos para sua fabricação, acredita-se que a gelatina foi descoberta há um bom tempo atrás. Durante o período Vitoriano (final de 1800 e começo de 1900) na Inglaterra, a gelatina era amplamente utilizada para a criação de pratos doces e salgados. A comercialização da gelatina parece ter surgido na Holanda em 1685, seguido de perto pela Inglaterra em torno de 1700. O primeiro comercial de gelatina foi feito nos Estados Unidos, em Massachusetts em 1808.


Sim! Você leu direito. Pratos doces e salgados. Apesar daquela gelatina que vem no pacotinho apresentar os mais variados sabores, a presença dela vai além da culinária.



  • Sobremesas: em pó, tabletes ou produto pronto para o consumo. Gomas, balas de caramelo, pastilhas, aerados como maria-mole, suspiro, torrone e marshmallow. Em iogurtes como estabilizantes, em sorvetes para controle dos cristais de gelo, em queijos moles e em sobremesas lácteas como flans, pudins e leite gelificado.


  • Frigoríficos: presunto, salsicha, frango enlatado, patês e caldos variados (carne, legumes, frango, etc).


  • Cremes vegetais: margarinas e cremes vegetais.


  • Bebidas: clarifica produtos por precipitação como o vinho, sucos e cerveja.


  • Farmácia: cápsulas gelatinosas envolvendo produtos com odores ou sabores desagrdáveis e comprimidos, unindo ingredientes ativos na modalidade de pó.


  • Fotografia: emulsão fotográfica, apesar de existirem produtos sintéticos, nenhum atingiu a mesma estabilidade e o baixo preço da gelatina.


  • Cosméticos: bases, cremes, pós compactos, etc.


  • Variados: no fabrico de cabeças de fósforos e lixas.


Ou seja, ela é realmente muito útil. E, se não fosse apenas útil ela é saudável, pois contém 9 dos 10 aminoácidos essenciais ao corpo humano e extremamente benéfica para retardar os efeitos do envelhecimento humano, como manter a elasticidade da pele, fortalecer as unhas e previnir a queda de cabelo.


Além disso, a gelatina tem a capacidade de se ligar a um grande quantidade de água, dando sensação de saciedade impedindo o exagero de alimentos.


A gelatina é uma proteína. É como se fosse um bloco de construção ligado um ao outro. A gelatina possui um formato quando está gelada. As proteínas se juntam umas às outras e constroem uma estrutura (A).



Quando a gelatina fica quente e úmida, ela perde a sua estrutura e os blocos se separam. A bola vermelha é uma gota de líquido sabor morango (B).



Quando a gelatina fica gelada novamente, as proteínas voltam aos seus formatos, mas agora elas prenderam uma gota do líquido (C).


A gelatina repõe o colágeno no organismo, a partir dos 25 anos de idade o organismo começa a reduzir a produção de colágeno, aos 50 produz apenas 35% do colágeno necessários para as articulações, ossos e pele. Sem o colágeno, o tônus muscular sofre uma diminuição, atingindo a saúde dos ossos, pele, unhas e cabelos, fazendo com que se tornem menos resistentes, percam a elasticidade, o brilho e reduzam o crescimento, facilitando o aparecimento de estrias e celulite, levando ao envelhecimento dos tecidos do corpo.


Mas há diferença entre a gelatina que compramos no supermercado para sobremesa e a gelatina vendida em casas de produtos naturais e suplementos alimentares. Nestes últimos, geralmente encontramos o colágeno em pó, ou em cápsulas, que é o colágeno em sua forma pura. Já a gelatina que compramos no supermercado, também tem colágeno na composição, porém, em menor quantidade.


Gostou? O que você está esperando para fazer aquela gelatina agora mesmo? Tem Laranja, Morango, Framboesa, Cereja, Limão, Uva, Maracujá, Tutti-Fruti, Abacaxi, Amora, Açaí, Maçã, Pêssego, Chá Verde, Frutas Tropicais, Manga, Cupuaçu, etc. É só escolher e rejuvenescer!

7 comentários:

Mørgana disse...

Caracas, eu uso gelatina no rosto??? hahaha...essa eu não sabia mesmo!!
Nosso reboco facial é feito com gelatina quem diria....

Abração pra vc!

Ando disse...

Obrigado, Morgana!!

Desculpe a todos que acompanham o blog, o tempo está um pouco escasso, mas vamos devagar, devagarinho, como diria Martinho da Vila.

Abreijos!

eudete disse...

como faz para usar no rosto?

Rose disse...

rose. nunca mais vou comer gelatina,ou pelo menos o que eu tiver certeza que tem gelatina qunta coisa a gente como e naõ tem noção do que e feito.

Vegan disse...

Só uso produtos com gelatina de algas.
A gelatina animal nada mais é do que restos mortais triturados.
No mínimo nojento... Mas pra quem come pedaços de cadáver e acha bom...

Acessem: www.vegetarianismo.com.br e aprendam a viver sem sangue.

Meghara disse...

Esses veganos preconceituosos... se gostamos ou nao de comer carne, ou cadaver, o problema eh nosso.

Aqueles q tem caes ou gatos nao passam de hipocritas ou acham q as raçoes deles sao folhinhas extrusadas?
Defendem tantos os animais mas esquecem q a poluição e a destruiçao do habitat destes ja extinguiram VARIOS deles, poluem o ar qdo dirigem seus carros movidos a derivados de petroleo ou ate mesmo o alcool.
Nao existe pessoas 100% veganas, entao pq falam de um modo negativo daqueles q comem carne? Cada um escolhe (as vezes uns nao tem tal opçao) a maneira q vive.
Ao inves de 'atacar', seria mais produtivo informar as pessoas para que elas conheçam determinado modo de vida. Conheci vegans extraordinarios (alguns até em um churrasco XD) que felizmente nao tem essa mentalidade.

Itamar disse...

colágeno!!! Que nojo! :/

Itamar